Em 1962, o Lions Club de Vitória da Conquista expôs quadros de um menino da cidade de Poções. Com 17 anos, Adilson Santos não imaginava o que estaria por vir. Anos mais tarde, já estava circulando entre grandes artistas em Salvador, fazendo pequenas exposições em galerias e buscando o apoio de nomes como Jorge Amado, que reconheceu o talento do jovem desde quando conheceu o seu trabalho.

Adilson tem obras espalhadas pelo mundo inteiro. Expôs em países como Alemanha, França, Suíça, Japão e Estados Unidos. Depois de viver por mais de 40 anos no Rio de Janeiro, voltou a morar em Vitória da Conquista, onde continua pintando e desenhando.

Nesta quinta, 8 de maio, será aberta a exposição “O Exercício Livre da Memória” no Espaço Conceito do Campus Vivant Club Residence (avenida Olívia Flores, próximo ao Colégio Oficina), a partir das 20 horas.

Rev. Vivant/Micael Aquillah

A obra de Adilson é considerada de grande valor figurativo e com evocações ao surrealismo. Ele ficou conhecido como o artista do mistério por adotar uma linha provocativa ao retratar elementos simples e cotidianos.

“Nunca fiz outra coisa, sempre vivi da arte. Minha obra é o tempo de uma vida, da minha vida”, diz o artista que, em 2013, teve parte de sua obra publicada em dois volumes, no livro “O Exercício Livre da Memória – desenhos e pinturas de Adilson Santos”, através da Caixa Cultural.

Visite a exposição e conheça um pouco mais a arte de Adilson Santos.

Deixe uma resposta