FotoEntreNos_RicardoKonka04
Os atores de “Entre Nós” irão representar dois atores que tentam montar um enredo com um casal homossexual e têm que enfrentar os próprios preconceitos

A capital baiana e outras treze cidades do interior serão palco para espetáculos teatrais durante todo o mês de janeiro. Através do projeto Temporada Verão Cênico, 32 montagens estarão em cartaz em todos os macroterritórios do estado. Vitória da Conquista não ficou de fora e o Centro de Cultura Camillo de Jesus Lima irá receber cinco desses espetáculos a partir do dia 9, dois deles são de grupos de teatro da própria cidade (Colégio Kadija – Esquete 10 e Circo de Soleinildo).

Confira abaixo a programação e sinopse das peças que se apresentarão no Centro de Cultura Camillo de Jesus Lima (Av. Rosa Cruz, Candeias).

9 e 16/1, às 19 horas
Colégio Kadija – Esquete 10
Grupo Avante Época; Classificação: Livre.
O Esquete 10 conta a história de Harley, que, aos dez anos, foi estuprado no banheiro do Colégio e obrigado a fazer programa para sustentar o vício dos seus agressores. O Esquete 10 traz um humor amargo, porque o público rir, mas sabe que está rindo da desgraça de Harley.

9/1, às 20 horas
Circo de Soleinildo
Da Companhia Operakata de Teatro; Classificação: Livre.
A cena surgiu a partir das experiências vivenciadas pelos membros da Cia. Na história, em algum lugar no interior do sertão brasileiro, Soleinildo e seus três companheiros de lona viajam à procura de público, cada vez mais escasso, para o seu circo de ilusões. O Circo de Soleinildo segue mantendo suas tradições. Contudo, a dificuldade de atrair público traz à tona uma questão: prosseguir com os mesmos princípios dessa arte milenar ou aderir às novas tecnologias?

16/1, às 20 horas
Entre Nós – Uma Comédia sobre Diversidade
De João Sanches; Classificação: 14 anos.
Com trilha sonora ao vivo, a peça gira em torno de dois atores em processo de criação de uma estória de amor entre dois jovens gays, personagens batizados por eles de Fabinho e Rodrigo. Nesse meio tempo, os atores se embaraçam na concepção da história, por conta dos próprios preconceitos, recalques e visões de mundo diferentes acerca do tema da diversidade sexual. Com tantos obstáculos nesta criação, eles resolvem solicitar ao público que decida sobre o desfecho da peça… Enquanto os personagens Rodrigo e Fabinho encaram sua sexualidade com naturalidade, os atores que os interpretam se constrangem, se confrontam e se atrapalham em cenas de humor.

23/1, às 20 horas
Vidas Secas
Da Cia 1º Ato; Classificação: Livre.
Adaptado do romance homônimo de Graciliano Ramos, a montagem conta a história de Fabiano e de sua família de retirantes. O nordestino que vive na seca é retratado com sua fome e a necessidade de migrar pelo sertão.

30/1, às 20 horas
Iauretê
Do Grupo de Teatro Palmares Iñaron; Classificação: Livre.
A peça é uma livre adaptação do conto Meu Tio O Iauaretê, de Guimarães Rosa, e da obra literária Maíra, de Darcy Ribeiro, além de depoimentos verídicos registrados na I Assembléia de Índios realizada em Merurí – Mato Grosso, em 1977. A montagem cruza as histórias de dois personagens: Oxim, místico caboclo onceiro, e Mehín, índio, e revela a ancestralidade e os impactos da colonização nos povos indígenas brasileiros.

A programação das outras cidades está disponível no site oficial.

O projeto é uma realização do Governo Estadual, através da Fundação Cultural do Estado da Bahia e da Secretaria de Cultura, e está em sua segunda edição.

Deixe uma resposta