Por Mariana Kaoos

Uma das opções de entretenimento e arte no Natal da Cidade são as apresentações de teatro e dança que irão ocorrer a partir de hoje, 20, em espaços distintos do centro de Vitória da Conquista. A prefeitura municipal abriu edital para que os grupos de dança e teatro se inscrevessem, concorrendo a prêmios que variam de R$ 600 a R$ 4 mil, a depender da categoria.

Um dos espetáculos a se apresentar no Natal da Cidade será o de nome “Chover, as fases do sertão”, da Companhia Dançart, que aborda o sentimento dos retirantes nordestinos que migram para a cidade grande em busca de uma vida melhor, mas anseiam a volta para casa.

A companhia está junta há cinco anos e, desde então, sempre participa do Natal. De acordo com um dos dançarinos da Dançart, Rone Eduardo, é sempre uma honra se apresentar nesse espaço. “É um evento que já está integrado aos festejos oficiais de Vitória da Conquista, sem contar com a proximidade com o público, já que é um espetáculo apresentado na rua. Dessa forma conseguimos levar muitas pessoas que talvez nunca tenham tido contato com essa forma de manifestação cultural”, comenta.

DIFICULDADES CÊNICAS – No entanto, grande parte da classe artística da região está descontente com as politicas públicas voltadas às artes cênicas. De acordo com a atriz Daniela Lisboa, o Natal da Cidade é um bom espaço para mostrar a produção local, porém, insuficiente quando são debatidas as necessidades dos profissionais.

“Durante todo o ano a secretaria de cultura alega não haver verba para investir na arte, mas sempre nessa época, com o Natal da Cidade, eles trazem grandes nomes nacionais que são caros e oferecem uma condição medíocre a nós, artistas da região”, protesta a atriz.

Daniela faz parte do grupo de teatro Galpinho que, assim como outros, decidiu não se inscrever neste ultimo edital. “Não foi combinado entre os grupos de não se inscreverem esse ano, mas, quando percebemos, poucos foram os que tiveram interesse mesmo. O edital da PMVC é mal elaborado e os valores de premiação são baixíssimos. Teatro é uma arte cara e com o valor proposto é impossível pagar cenário, figurino, atores”, explica.

O Festival Cenas Curtas, atuante também como mostra do teatro conquistense, também não ocorrerá pelos mesmos motivos. Daniela afirma que o Festival sempre ocorre em cima da hora, com uma estrutura precária: “falta técnico de luz, dentre outras demandas. A logística do Cenas Curtas é extremamente desorganizada. O Festival não forma público e acaba ficando restrito apenas à classe artística”, afirma.

Todas essas ações são sintomas da falta de atenção da secretaria de cultura para com os artistas. “Não temos nada contra o Natal da Cidade. Pelo contrário. É um espaço muito bonito. Mas precisamos mais do que ele para mostrarmos a nossa arte. Precisamos, de início, ser valorizados”, comenta Daniela.

PROGRAMAÇÃO - As apresentações de teatro e dança no Natal da Cidade começam a partir de hoje, 20. Confira a programação completa:

“Flores”
20/12, às 19h na Casa Régis Pacheco (Praça Tancredo Neves)
Com Leninha Sobrinho e Grupo de Dança

“Algaravias – O Marujeiro da Lua”
22/12, às 18h e às 20h no Teatro Carlos Jeovah (Praça da Bandeira)
Grupo de Teatro e de Pesquisa Olaria

“Chover, as fases do sertão”
23/12, às 19h, na Casa Régis Pacheco (Praça Tancredo Neves)
Companhia Dançart

“Presépio Vivo”
25/12, às 19h, na escadaria da Catedral (Praça Tancredo Neves)
Grupo Teatral Raízes

Foto: Divulgação (Espetáculo Chover)