Padrão Veja de manipulação

A três dias das eleições presidenciais, quando as pesquisas apontam para a vitória da presidenta Dilma Rousseff, a Revista Veja – velha conhecida por atuar como principal veículo de oposição aos governos petistas – chega às bancas com mais uma capa fraudulenta e caluniosa contra Dilma e o ex-presidente Lula.Trata-se da conhecida tática golpista praticada pela revista de tentar manipular a opinião pública, pautar o último debate na TV e influenciar o resultado das eleições.

A capa da publicação mostra Lula e Dilma com a manchete “eles sabiam de tudo” se referindo ao esquema de corrupção denunciado pelo doleiro Alberto Yousseff, por meio de delação premiada, à Polícia Federal. MENTIRA. E como sabemos a mentira é a matéria-prima do golpismo que a Revista lança sempre que os seus candidatos a presidente estão atrás nas pesquisas eleitorais na reta final das campanhas. Surpreendente seria se a Veja se comportasse diferente dessa vez.

O doleiro Yousseff foi preso no começo deste ano, pela Operação Lava Jato da PF, acusado de chefiar um esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas. O decorrer do processo ocorre em segredo de justiça e as declarações resultantes de delação premiada carecem de comprovação, já que esse tipo de interrogatório serve como peça inicial para investigações mais aprofundadas. As declarações do réu (no caso, o próprio doleiro Yousseff), aliás, precisam ser comprovadas para garantir a ele o direito de ter sua pena reduzida. Mas temos que lembrar que tudo o que “carece de comprovação” ou simplesmente é inventado ou fantasiado ganha contornos de “fato real” na redação oposicionista da Veja.

Vale destacar que, na semana passada, quando todos os jornais acusavam a participação do ex-presidente do PSDB, Sergio Guerra, no esquema de recebimento de propina em que é acusado pelo doleiro Alberto Yousseff, a capa da Revista Veja requentava uma notícia velha, não comprovada e caluniosa, para desviar o foco do assunto. E essa, como já sabemos, não foi a primeira vez. A quem serve, então, a Revista Veja?

Ações como essa são sintomáticas de um tipo de pseudo-jornalismo que há muitos anos deixou de lado o compromisso com a verdade e a informação. E mais, a antecipação da publicação da edição atual na tentativa de influenciar o resultado das eleições é prática de fraude eleitoral, pura e simples. Quais são os interesses que se escondem por trás de uma publicação que sistematicamente divulga todo o tipo de mentira e calúnia para difamar, desqualificar e desestabilizar um governo legítimo e eleito democraticamente pelo povo? Em uma democracia a postura anti-ética da Veja é inaceitável e deve ser entendida como uma tentativa de golpe.

Felizmente, os brasileiros já não se deixam enganar por uma revista que há muito tempo jogou fora toda a sua credibilidade. Eles pensam que podem manipular o eleitor com mentiras e desinformação. Estão errados. A democracia brasileira não é exercida nas bancas de jornais, mas nas urnas. E essa verdade está fora do alcance da manipulação da Veja.

Ataque a Dilma revive golpismo midiático de 2006 e 2010

Em 17 de agosto de 2005, a Veja estampava em sua capa “A luta de Lula contra o impeachment”, dizendo em sua reportagem de destaque que o presidente estava com o “cargo na linha de tiro”. Em outra matéria, afirmava que revelações do publicitário Duda Mendonça despertavam “o fantasma do impeachment”. A revista apresentava ainda um quadro sobre como Lula poderia ser punido e explicava como funcionava o processo de impeachment. “O PT está em pleno processo de implosão”, afirmava. Isso tudo foi em 2005. Um ano depois, Lula ainda estava lá, comandando o país e levando-o a indicadores sociais e econômicos nunca antes vistos. O impeachment que a Veja tanto propagou – em 10 de agosto de 2005, chegou a comparar Lula a Collor – não deu certo, já que não se sustentava. Em 2006, o PT que eles diziam estar implodindo reelegeu Lula. Depois, elegeu a primeira mulher presidenta da República. Hoje, Dilma lidera as pesquisas e a revista oposicionista recorre às mesmas baixas táticas antipetistas de outros tempos.

Vamos além: 27 de setembro de 2006, vésperas de eleição. A capa da Veja traz Lula com a vista tampada por uma faixa presidencial. Nem chamadas há, na capa. A reportagem tem no título “Um tiro no pé às portas da eleição”: com “métodos criminosos” o PT teria mergulhado o Brasil “em uma grave crise política”. Dessa vez, Veja levantava a compra de um falso dossiê por parte do partido nas eleições paulistas. O objetivo estava insinuado no segundo parágrafo: impugnar a candidatura de Lula. Entre tantos absurdos, a publicação diz haver uma “notória ausência de ética e moral da esquerda quando esquadrinha a chance de chegar ao poder”. Isso mesmo: a Veja falando de ética e moral. Seguem-se 29 páginas de combate ao PT, divulgadas 4 dias antes da eleição, com nítida intenção – novamente frustrada – de influir no pleito.

2010, a vez de Dilma. Faltavam quatro dias para o primeiro turno, quando a Veja lançou a quarta capa consecutiva de puro antipetismo. Logo após a decisão do primeiro turno, viriam duas com ataques diretos à Dilma e uma – vejam só – estampando aquele que a revista abraçaria quatro anos depois: Aécio Neves. Mas voltando à última edição antes do primeiro turno, a de 29 de setembro. A capa dizia “Liberdade sob ataque” e falava de um tal “ódio à imprensa livre” por parte de Lula e do PT. A reportagem fala de autoritarismo buscando acabar com o jornalismo no país. Citando discursos em que Lula fala do recorrente ataque da mídia (que de maneira enxuta comprovamos aqui) e de projetos de democratização, regulação e pluralização dos meios de comunicação, a Veja conclui que há um projeto totalitário por parte do presidente e do PT. Concluiu errado. Afinal, a própria revista teve, durante 4 anos, a liberdade de realizar intenso combate ao governo e ao PT, o que levou a um exacerbado ódio, com episódios trágicos, lamentáveis e antidemocráticos como os vistos com mais intensidade neste ano. Esta semana, a revista, gozando da liberdade de imprensa que temos – mas esquecendo dos básicos princípios da conduta ética de um jornalista – publica mais um desatino jornalístico. A história da perda de credbilidade da Veja segue seu curso natural. O eleitor já está vacinado.

Como deveria ser a capa da Veja…

capa veja lula e dilma sabiam copy

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *